Terca-Feira, 26 de Setembro de 2017

TODOS PELO MESMO REINO

Publicado em Padre Adilson Schio MS
Lido 139 vezes
Avalie este item
(0 votos)

 

LEITURA

A palavra que une todas as leituras deste Domingo é “um povo sacerdotal”, isto é, um povo escolhido, eleito, destinado à uma missão. O autor da Primeira Leitura, tirado do Livro do Êxodo, imagina o povo de Israel como um povo em permanente serviço a Deus. O “Deus da Aliança” escolhe Israel para com ele estabelecer laços de comunhão e de proximidade. A este povo, Deus confia a missão mais importante que o torna “um povo sacerdotal”: Israel deve ser o povo que se compromete em ser sinal de Deus no meio de todas as nações. O Evangelho de Mateus nos traz alguns versículos do “discurso da missão”. Este detalhe já nos abre para a compreensão daquilo que Jesus tem a nos dizer hoje: Ele nos oferecer sempre um projeto a ser construído juntos. “Jesus enviou os doze... E lhes disse: ide pelo caminho e proclamai que está perto o Reino dos Céus” (Mt 10,5-6). A Segunda Leitura nos sugere que a comunidade dos discípulos é de modo muito especial uma comunidade de pessoas a quem Deus ama com um amor sem limites. A missão desta comunidade é a de dar testemunho deste amor que recebe gratuitamente de Deus, um amor eterno, que jamais se rompe e que é absolutamente único.

 

MEDITAÇÃO

A nossa meditação da Liturgia da Palavra deste Décimo Primeiro Domingo do Tempo Comum, começa com um reencontro, sim um reencontro com a Palavra de Deus através da leitura orante do último versículo da Segunda Leitura. A Carta aos Romanos é a mais longa carta que Paulo escreve e também aquela que teologicamente é a mais significativa. Os estudiosos chamam esta Carta de “o mais puro evangelho de Paulo”, é por isso que ele ali aprofunda alguns temas ligados à experiência da comunidade como comunhão, união e unidade. Mas é o tema da fé e a sua importância para a reconciliação do povo pecador, que perpassa cada parte desta Carta, como podemos ver na Segunda Leitura de hoje que diz: “Ainda mais: nós nos gloriamos em Deus, por Nosso Senhor Jesus Cristo. É por ele que, já desde o tempo presente, recebemos a reconciliação” (Rm 5,11). Cristo é o nosso reconciliador e é quem nos dá a possibilidade da reconciliação definitiva com Deus, pois ele nos deu a sua vida como prêmio e como graça. E, segundo Paulo, esta reconciliação não é uma realidade só futura, do final dos tempos, mas, como ele bem insiste, é uma realidade já do “tempo presente”. À luz deste versículo podemos dizer que os textos bíblicos deste domingo nos revelam fundamentalmente quem são os cristãos: primeiramente são aqueles que já fizeram duas descobertas e suas vidas: a primeira: Cristo é o caminho para o Pai e nele encontramos toda a nossa razão de viver; a segunda descoberta: o cristão é alguém que ama a Deus como ama a si mesmo e ao seu próximo. Aqui cabe bem uma pergunta fundamental nos dias de hoje: esta certeza do amor incondicional de Deus e a Deus se faz presente no nosso jeito de responder aos desafios que a vida e o mundo me coloca? A resposta é muito pessoal mas podemos olhar a Primeira Leitura e encontrar algumas indicações de respostas pois a “aliança”, convite de Deus a todos nós, é uma iniciativa de Deus que nos quer sempre num caminho de vida e não de morte, de liberdade e não de escravidão, de paz e não de inimizade, de serviço e não de egoísmo. Aceitar fazer parte da “comunidade dos filhos de Deus” é aceitar percorrer um certo caminho, qual seja: o caminho dos mandamentos. A Palavra de Deus a Moisés é clara: para ser um povo santo, nação escolhida, povo da aliança... é preciso “ouvir a minha voz e guardar a minha aliança...” (Primeira Leitura, v. 5). É clara também a convicção de que fazemos parte de uma só e única missão, por isso o Evangelho de hoje está “envolto” em duas belas referências: à “messe” do Senhor e a necessidade de operários, e à gratuidade do serviço em nome de Deus: “de graça recebestes, de graça deveis dar” (Evangelho, v. 8). A missão é urgente e ela é uma obra de Deus através da ação daqueles que o amam, pois em tudo e acima de tudo o que fica é a gratuidade do trabalho de quem faz tudo por amor a Deus. Tudo com amor, tudo pelo mesmo Reino.

ORAÇÃO

Salmo 99: Sabei que o Senhor, só ele, é Deus. Ele mesmo nos fez, e somos seus, nós somos seu povo e seu rebanho. Sim, é bom o Senhor e nosso Deus, sua bondade perdura para sempre, seu amor é fiel eternamente.

 

AGIR

Comprometa-se, dentro das suas possibilidades ofereça um pouco de você para fazer mais forte e mais atuante a sua comunidade.

 

Pe. Adilson Schio, MS.

Mais Lidas